As atividades que realizamos diariamente dependem, para a sua plena execução, de um conjunto de habilidades físicas, mentais, de desenvolvimento e sociais. Devido a algum tipo de incapacidade, deficiência, doença, acidente ou outras causas, estas podem alterar-se, limitando de forma significativa a funcionalidade, requerendo a intervenção de umprofissional especializado.

O Terapeuta Ocupacional avalia, trata e habilita o indivíduo através de técnicas terapêuticas baseadas em actividades do seu interesse, com o objetivo de prevenir a incapacidade e melhorar, manter ou adaptar as capacidades funcionais. Desta forma, ajuda a melhorar o desempenho das atividades da vida diária (como alimentação e higiene pessoal),atividades de trabalho ou actividades de lazer, para proporcionar a melhor funcionalidade e qualidade de vida possível.

  • Terapias específicas
  • Treino no uso de próteses
  • Treino de Atividades da Vida Diária
  • Treino de funcionalidade no leito
  • Treino de destreza manual
  • Reeducação de sensibilidade
  • Reabilitação psicomotora
  • Reeducação funcional dos membros
  • Treino de utilização de ajudas técnicas
  • Treino de Atividades Lúdicas/ Profissionais
  • Treino de funcionalidade na Cadeira de Rodas
  • Treino de coordenação motora
  • Execução de talas
Adultos

Nesta faixa etária, a Terapia Ocupacional intervém, através de técnicas específicas, para melhorar/desenvolver as competências necessárias a um desempenho ocupacional eficaz nas Atividades da Vida Diária, Atividades de Trabalho e Atividades de Lazer, atuando em patologias como:

  • Lesões vertebro-medulares;
  • Artrite Reumatóide;
  • Esclerose Múltipla;
  • Acidentes Vasculares Encefálicos;
  • Doenças Neurológicas Degenerativas (Guillain-Barré; Charcot-Marie-Tooth; etc);
  • Depressão;
  • Esquizofrenia;
  • Perturbação Bipolar.
Geriatria

Nesta faixa etária, a intervenção em Terapia Ocupacional consiste principalmente na manutenção das capacidades funcionais do ser humano, com atividades terapêuticas e ocupacionais individuais ou em grupo, intervindo em patologias como:

  • Doença de Alzheimer;
  • Doença de Parkinson;
  • Osteoporose;
Pediatria

A intervenção nesta faixa etária poderá ser no âmbito escolar, caso seja o necessário ou indicado, ou em contexto clínico, trabalhando numa equipa multidisciplinar para maior benefício da criança. A intervenção é baseada no desenvolvimento psicomotor e incide sobre alterações nos componentes sensório-motor, cognitivo, psicológico e psicossocial, para melhorar o desempenho nas atividades da vida diária e/ou escolares, atuando em patologias como:

  • Paralisia Cerebral;
  • Défice de Atenção/ Hiperatividade;
  • Autismo;
  • Síndromes com afetação psicomotora e/ou cognitiva;
  • Atrasos de desenvolvimento;
  • Patologias com alterações sensoriais;
  • Alterações de aprendizagem;