Osteopatia – Um conceito maior que o nome!

Nos dias de hoje, é muito comum termos alguns sintomas, aparentemente, sem justificação, como dores de cabeça, dores no corpo, dificuldade em dormir, alterações digestivas e intestinais (como diarreias ou prisão de ventre), sensação de tonturas, dores menstruais ou apenas um cansaço crónico constante. Infelizmente, em algumas destas situações, fazemos análises clínicas, exames e consultas médicas de especialidade, sem conseguirmos encontrar a razão e solução para estes problemas e passamos a considerá-los como “normais” ou próprios da idade.

Na verdade, os problemas e sintomas referidos surgem, normalmente, quando há um desequilíbrio funcional do nosso organismo; contudo, esse desequilíbrio pode ser insuficiente para desencadear uma patologia e, por isso, as análises e exames médicos não são conclusivos. Mas isto não quer dizer que estejamos saudáveis, porque se o estivéssemos não teríamos quaisquer sintomas.

Em muitas destas situações, a Osteopatia pode ser a solução quer para entender a causa dos problemas, quer para os resolver.

A Osteopatia nasceu nos Estados Unidos da América e foi criada por um médico chamado Andrew Still, em 1874.

Pela sua etimologia e fonética, a Osteopatia é muitas vezes associada à terapia manual que trata as doenças dos ossos, mas na verdade, trata-se de uma especialidade clínica bem mais abrangente.

Segundo Still, criador deste conceito de avaliação, diagnóstico e tratamento, todas as partes do corpo se encontram inter-relacionadas e o tratamento deverá procurar o equilíbrio de todo o organismo.

Assim, durante uma avaliação e tratamento de Osteopatia é comum que o profissional se debruce não só sobre questões posturais e músculo-esqueléticas, mas também sobre todas a funções orgânicas dos sistemas visceral, neurológico, cranial, imunológico e hormonal, de modo a procurar onde se encontram os desequilíbrios mais evidentes.

Em suma, trata-se de uma consulta que deverá ser sempre realizada por um profissional muito bem formado e especializado nesta área, sendo que todas a pessoas poderão usufruir da Osteopatia desde o nascimento até à fase mais avançada das suas vidas.

Desta vez, fico-me por aqui.

Desejo-vos boas férias, se for o caso, e muita saúde para uma vida feliz e com harmonia.

Tiago Caseiro

Fisioterapeuta e Osteopata

Fisio S. Brás e Clínica Internacional de Vilamoura