Fisioterapia

fisio

Na Fisioterapia, a Fisio S. Brás diferencia-se pela excelência do seu serviço, primando por uma abordagem personalizada e de elevada qualidade. Sem limitações de tempo ou recursos, o bem-estar e rápida melhoria do utente são objetivos primordiais nos tratamentos.

O processo inicia-se com uma avaliação completa e detalhada do utente, que permitirá construir um plano de recuperação individualizado, fundamentado na evidência científica mais recente e na experiência dos nossos fisioterapeutas qualificados.

Condições Crónicas

As condições crónicas dizem respeito a situações clínicas em que a disfunção ou sintoma perduram por um período de tempo superior a 3 meses.

Nestes casos o fisioterapeuta terá que realizar uma avaliação minuciosa ao utente, de modo a entender quais os fatores que estão a influenciar a permanência dos sintomas, uma vez que este tipo de condições podem ter inúmeras causas: problemas hormonais ou endócrinos, disfunções neurológicas, alterações do sistema imunitário e disfunção do sistema nervoso central. Estas condições carecem de uma abordagem muito cuidadosa pelo perigo latente de centralização da dor.

É muito o importante que o fisioterapeuta tenha uma perceção correta relativamente à origem da disfunção do utente para que possa delinear, em conjunto com este, um plano de intervenção específico e adequado à condição clínica em questão.

Alguns exemplos deste tipo de condições crónicas são:

  • Dor lombar crónica;
  • Whiplash (dor cervical pós-trauma);
  • Fibromialgia;
  • Dor central;
  • Artrite reumatóide;
  • CRPS (complex regional pain syndrome – origem auto-imune, caracterizada por disfunção do sistema nervoso simpático);
  • Esclerose múltipla;
Desporto

O desporto é uma das áreas em que fisioterapia apresenta maior relevância e destaque, devido à preponderância que o fisioterapeuta pode ter para o sucesso desportivo de um atleta.

Hoje em dia, o fisioterapeuta no desporto apresenta-se não só como um recuperador de lesões, mas também como o profissional responsável pela prevenção das mesmas, pela promoção de um retorno seguro do atleta à atividade e pela potencialização da sua performance física e desportiva.
No desporto, a fisioterapia aplica-se a qualquer tipo de população desportiva, em todas as idades e para diferentes níveis de desempenho, quer para o desporto de alta competição, quer para qualquer tipo de atividade física de lazer.

Na Fisio S. Brás, os fisioterapeutas apresentam uma experiência profissional muito significativa no contexto desportivo, sendo que para além da avaliação detalhada do utente e da análise pormenorizada de cada movimento, são utilizadas inúmeras técnicas e métodos, tais como o biofeedback eletromiografico, as ligaduras funcionais e o kinesiotape, as cadeias fisiológicas, a mesoterapia homeopática, entre outras.

Algumas das lesões mais frequente no contexto desportivo são as seguintes:

  • Roturas e estiramentos musculares;
  • Instabilidade da gleno-humeral; conflito sub-acromial; luxações e subluxações na articulação acrómio clavicular;
  • Tendinopatias do tendão rotuliano ou quadricipital; bursites, rutura do ligamento cruzado anterior, lesões meniscais ou dos ligamentos colaterais interno e externo;
  • Entorses da tibio-tarsica, roturas de ligamentos, instabilidade crónicas e fascite plantar;
  • Fraturas, fissuras, contusões osseas e traumatismos;
Dor

A dor pode descrever-se como sendo uma experiência sensorial e emocional desagradável, que afeta diariamente muitas pessoas e que apesar de ter na sua origem inúmeras causas relaciona-se, normalmente, com uma situação de lesão ou doença.”
Na verdade, é fundamental entendermos a dor como sendo um fenómeno multidimensional, ou seja, depende da influência e conjugação de vários fatores.

Quando as dores são crónicas e já sofrem influência de alterações no circuito ou no processamento do sistema nervoso central – cérebro e espinal medula (dor central) – é muito importante que o utente perceba que a componente nociceptiva já não é a principal responsável pela sensação de dor, ou seja, a lesão dos tecidos deixa de justificar a presença de dor constante e a mesma ocorre devido a um incorreto funcionamento e processamento do nosso sistema nervoso.

Fisioterapia Cardiorrespiratória

A fisioterapia cardiorrespiratória utiliza um conjunto de estratégias, meios e técnicas de avaliação e tratamento, não-invasivas, que visam melhorar a dinâmica respiratória e a distribuição do ar inalado pelo pulmão. Contribui assim para a melhoria da mecânica respiratória, através da desobstrução brônquica, reexpansão pulmonar e fisioterapia respiratória (conjunto de técnicas específicas) que promovem a máxima funcionalidade e qualidade de vida dos utentes.

Para atingir os seus objectivos o Fisioterapeuta utiliza técnicas manuais e /ou instrumentais, exercícios, posicionamentos, educação e aconselhamento ao utente.
Também tem uma acção junto dos utentes com patologia cardíaca com o objectivo de prevenir novos problemas, possibilitar o ganho de autonomia, aumentar a facilidade na execução das actividade de vida diária, controlar o peso, controlar a dispneia (falta de ar) e a fadiga muscular.

Patologias/Condições que podem beneficiar desta intervenção:

  • DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica);
  • asma;
  • bronquite;
  • enfisema pulmonar;
  • bronquiectasias;

Recuperação após pneumotórax, derrame pleural. Bronquiolites, nas crianças. (HL – Pediatria)

Geriatria

O envelhecimento da população tem-se tornado uma das principais preocupações no domínio da saúde, no sentido em que nos dias de hoje, é notória a elevada percentagem que a população idosa ocupa na nossa sociedade.

Esta realidade tende a manter-se uma vez que, a evolução demográfica mundial tende a que o número de idosos venha a ultrapassar o número de jovens nos próximos anos. Por essa razão, é de elevada relevância compreender as limitações e as necessidades específicas da população idosa, de modo a prestar uma assistência eficaz e direcionada a esta população.

Neste sentido, a Fisioterapia estuda, previne e trata as disfunções decorrentes do processo de envelhecimento. Previne problemas funcionais promovendo a recuperação funcional global da pessoa idosa. Para além da intervenção sobre problemas neuro-musculo-esqueléticos, cardio-respiratórios e neurológicos típicos de determinadas idades, a fisioterapia tem como principais argumentos técnicas anti-álgicas para controlo de dor, promoção de exercício físico e movimento específicos, direcionados para a condição do utente.

A intervenção dos nossos fisioterapeutas ocorre em meio clínico, domicílio, e casas de repouso/recuperação (lares).

Gravidez (Pré e Pós Parto)

A gravidez é uma fase muito especial na vida da mulher. As alterações que ocorrem num curto período de tempo podem provocar disfunções e desconforto na grávida. A fisioterapia intervém sobre as modificações ocorridas, quando estas assumem contornos disfuncionais e prepara o organismo para suportar os esforços a que estará sujeito com o crescimento do bebé.


Quadro Pré Parto

A intervenção baseia-se num tratamento específico e adequado para o alívio da dor (maioritariamente na coluna vertebral), prescrição de exercícios que ajudam a manter a mulher ativa e sem queixas, treino dos músculos do pavimento pélvico para prevenção de disfunções e preparação para o parto, drenagem do líquido acumulado, relaxamento, treino de respiração, correção postural, aconselhamento e esclarecimento sobre a gravidez.


Quadro Pós-parto

No pós-parto, a fisioterapia constitui um excelente meio, natural e seguro, para a mulher recuperar das modificações que ocorreram durante a gravidez. Promove a recuperação da boa forma física após o parto, com o objetivo de promover uma boa postura, minimizar as consequências negativas da gravidez (como as disfunções do pavimento pélvico) e aliviar o corpo das alterações específicas desta altura, potenciando a diminuição das tensões e cansaço acumulados.

Patologias/Condições que poderão beneficiar desta intervenção: 

  • Alterações posturais da grávida e dores associadas;
  • Preparação para o nascimento;
  • Recuperação após o parto;
  • Incontinência urinária e outras disfunções do pavimento pélvico;
  • Edema pós cirúrgico (mastectomia, abdominoplastia,etc) ou associado a patologia tumoral, normalização de cicatrizes;
  • Massagem do bebé;
Neuro-Musculo-Esquelética

Área da fisioterapia que visa o equilíbrio dos sistemas ósseo, muscular, articular e neural através de técnicas específicas de intervenção – meios físicos, exercícios terapêuticos e técnicas manuais.

Através de um diagnóstico correto, o fisioterapeuta poderá intervir sobre a raiz da disfunção que permitirá o restabelecimento da função e a manutenção de uma condição saudável a longo prazo (intervenção preventiva).

As condições traumatológicas e ortopédicas são o principal mote de intervenção nesta área:

  • Patologias na Coluna Vertebral – Hérnia Discal, Espondilosistesis, bloqueios vertebrais, espondilite anquilosante, Ciatalgia (dor ciática), artrose vertebral, etc;
  • Lesões Musculares – Ruturas, contraturas, tensões, contusões, etc;
  • Patologias Tendinosas – Tendinopatias (tendinites e tendinoses); Rutura; Calcificações; disfunção crónica;
  • Disfunções Articulares – Luxações, sub-luxações, artroses, bloqueios;
  • Disfunções do sistema ósseo – Esporão do Calcâneo, pós-fratura, Síndrome de Osgood-Schlatter;
  • Síndromes neurais – Túnel Cárpico; Síndrome desfiladeiro; Neuropatia Radial (Saturday night palsy), compressões neurais;
  • Pós e Pré operatórios – Ligamentos do joelho; Tendão Rotuliano; Prótese Joelho e Anca; politraumatismos, Dedo em gatilho;
  • Alterações Posturais;
  • Alterações do Movimento;
Neurologia

A Fisioterapia neurológica induz ações terapêuticas para recuperação de funções, entre elas a coordenação motora, a força e o equilíbrio. A intervenção baseia-se em exercícios que promovam a recuperação dos movimentos, recorrendo a diferentes técnicas como a inibição de reflexos patológicos e a facilitação dos padrões normais, por meio de “pontos chave”. São proporcionadas diversas experiências sensoriais, estimuladas as funções motoras e realizados treinos posturais visando uma máxima independência funcional e consequentemente, a melhoria da qualidade de vida do utente.

Patologias/Condições que podem beneficiar desta intervenção:

  • AVC’s;
  • Traumatismos cranianos;
  • Lesões vertebro-medulares (Paraplegia; Tetraplegia);
  • Paralisia cerebral;
  • Esclerose múltipla;
  • Esclerose lateral amiotrófica;
  • Distrofia muscular;
  • Doenças congénitas do sistema nervoso;
  • Doenças neurodegenerativas;
  • Parkinson;
  • Entre outras;
Pediatria

A fisioterapia pediátrica tem como pressuposto base a ideia de que as crianças não são adultos em ponto pequeno, mas indivíduos com um desenvolvimento motor e neural próprio, como tal, com necessidades individuais específicas. Na pediatria podem incluir-se todas as áreas de fisioterapia, de acordo com as necessidades específicas da criança, sempre com uma abordagem muito própria e adaptada à etapa de desenvolvimento em que a criança se encontra.

Patologias/condições comummente encontradas em pediatria:

  • Torcicolo congénito;
  • Paralisia obstétrica do plexo braquial;
  • Deformidades do pé;
  • Alterações posturais (escoliose, cifose);
  • Atrasos do desenvolvimento neuromotor;
  • Luxação congénita da anca;
  • Disfunções respiratórias (bronquiolite, broncopneumonia);
  • Espinha bífida;
  • Paralisia cerebral;
  • Doenças neuromusculares;
Saúde da Mulher

A fisioterapia especializada em saúde da mulher tem em conta as suas características biopsicossociais valorizando o contexto em que esta se desenvolve, com todas as especificidades que lhe estão associadas.

Pode tornar-se um elo de ligação da mulher ao seu corpo, compreendendo-o e tornando-o mais apto a lidar com as exigências do dia a dia. Os principais focos de intervenção nesta área são a gravidez (pré e pós parto e cuidados ao recém nascido), as disfunções do pavimento pélvico (saúde urogenital), intervenção em oncologia e cirurgia (vascular e linfática).

Urogenital

A fisioterapia urogenital restabelece a funcionalidade dos sistemas urinário e genital, através da reabilitação do pavimento pélvico e parede abdominal, podendo ajudar homens e mulheres que tenham alguma patologia ou disfunção a este nível. É necessária uma avaliação rigorosa para perceber se a fisioterapia será a valência ideal para o seu tratamento. Se assim for, poderão ser utilizadas inúmeras terapêuticas, desde técnicas manuais à eletroterapia e exercícios específicos (como ginástica abdominal hipopressiva e reeducação do pavimento pélvico), passando pelo biofeedback eletromiográfico (PhysioPlux) e uma readaptação das atividades da vida diária.

Que tipo de sinais e sintomas poderão ser tratados no âmbito da fisioterapia urogenital?

  • Incontinência urinária e fecal: perda involuntária de urina e de fezes;
  • Disfunções sexuais: alterações do desejo e/ou excitabilidade, dor, disfunções do orgasmo, disfunção erétil e ejaculatória;
  • Dor pélvica: dor recorrente e persistente nas estruturas pélvicas – estruturas ósseas, órgãos sexuais, segmento anorretal, região lombossagrada e periumbilical;
  • Hérnias abdominais/pélvicas: hérnias inguinais, femorais, umbilicais, epigástricas;
  • Prolapsos de órgãos abdominais/pélvicos: cistocele, retocele, enterocele, uterino;

Quais as situações de risco que poderão beneficiar de um trabalho preventivo a este nível, caso não haja sintomas, ou reabilitativo caso seja sintomático?

  • Pós cirurgia abdominal/pélvica: prostectomia, histerectomia, redução de prolapsos,…
  • Gravidez: pré e pós parto
  • Atividades de risco: profissões com uso de cargas elevadas ou posição prolongada em pé, desporto de alta competição, musculação e treino físico com grande impacto/carga, etc;
Vascular e Linfática

Área da fisioterapia que tem como objetivo a melhoria da circulação sanguínea e linfática. O corpo humano depende do sistema sanguíneo para o aporte de oxigénio e nutrientes aos tecidos e depende do sistema linfático para a recolha dos produtos tóxicos e sua eliminação. Quando existe alguma disfunção nestes sistemas, que são complementares, podem surgir sintomas como edema (inchaço), dormência ou formigueiro, dor, sensação de pernas pesadas, limitação dos movimentos, aumento local de temperatura e/ou rubor.

Através de técnicas como a drenagem linfática manual e exercícios terapêuticos específicos é possível atuar a este nível, promovendo a normalização da circulação de retorno e a drenagem, estimulando o sistema imunitário.

Patologias/Condições que poderão beneficiar desta intervenção:

  • Varizes;
  • Flebites;
  • Pós-cirúrgicos (cirurgia estética, oncológica, ortopédica, etc.);
  • Pós-traumáticos (entorses, roturas, etc.);